segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

palavras sem dias

De repente um sonho atravessa a noite escura
Levando a alma para longe, muito longe
Ao amanhecer o dia
O corpo, que precisa viver o cotidiano,
vai lembrando dos aromas, da paisagem
do sonho da noite escura
e sem mais... sorri
lembra do abraço apertado
que ficou perdido nas estrelas

Suspira e segue seu caminho.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

sorrisos

Se soubessem que basta um único sorriso para me ganhar.

corpos

Quantos corpos com vida, sem vida, circulam pela cidade.
Corpos secos de paixão, de alegria. vida.
Corpos que se calam com a tristeza da alma.
Alma sem vida sorrindo, de mentira, para as passagens do cotidiano.
Vão vivendo.
É simples e fácil ser um corpo com vida, sem vida.
Basta calar-se e ir sendo um não ser.
Ser de mentira. Vida sem vida.
Mentira da alma.
Coração sem nada batendo.
Bate involuntariamente
Se tivesse vontade própria, pararia.
Não chora. Não ri.
É quieto. Cala-se.
Sem vida.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Esperar

É engraçado esperar, você fica olhando, olhando ... espera uma palavrinha, pequena, simples e ela não vem.
Então, você desiste, chora e fica olhando os passarinhos.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Outubro

Agosto foi duro, muito difícil, mesmo... fiquei torcendo a cada segundo para que o mês mais bonito chegasse, setembro... e, então, ele vai embora, engraçado como o cotidiano vai levando a gente para a realidade e de repente, pronto.
A dor passa, a ferida seca, as lágrimas passam,

amo o tempo, ele é o remédio da alma.
Não é fácil ir caminhando diante das pedras no caminho, mas aí, aprendemos que umas pulamos, outras chutamos, outras pegamos e colocamos no bolso... e vamos... sinto um alívio por outubro chegar, tudo virou história, uma coisa para contar, rir, chorar.
Foi difícil colocar tudo no lugar, separar o que é real, o que é fantasia, o que é sonho, mas enfim voltei... sim, há muitas coisas para organizar, mas estou leve.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Respeite meus cabelos brancos

Resolvi mudar a cor do cabelo. Não sei, ainda, lidar com os fios brancos que aos poucos vão aparecendo.
Sentada no ônibus pensando nas cores que eu poderia ter na cabeça, eis que entra uma senhora com o cabelo todo branco, sua cabeça era de um branco cinza, bonito ... logo pensei, cada fio deve representar uma lágrima, um sorriso, uma dor, uma flor, surpresa, as pedras encontradas no caminho.
Eu queria ter a coragem de aceitar e mostrar as marcas do meu caminho em minha própria cabeça, mas ainda não sei e talvez nunca saberei.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

34

Eu dei adeus aos meus 29 pela primeira vez aqui no blog.
E hoje estou dando adeus aos 33 e seja "bienvenido" meus 34.

Eu choro, me emociono e sou muito grata.
Agradeço minhas lágrias, sorrisos, stress, sonhos, felicidades, abraços, carinhos, brigas, desejos... eu sou: eu.
Camila Leite Campos e agora com meus 34 anos!!!!

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Calmaria

É como o sol depois do temporal
Chove muito
Há destruições
Alagamentos
Lágrimas
Coração triste

E quando a chuva para
Um brisa leve bate
O sol volta a brilhar

Claro, tudo desordenado
Mas há uma sensação tranquila
Sem medo
Sem angústia

Apenas o sol quentinho

Cheiro de flores
E o canto do passarinho

Então, é olhar o peito assim
E começar a respirar,
Quem sabe até
Sonhar

Calmaria...

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Lágrimas

Quem lê, conhece um pouco...

Disseram que o poeta era um fingidor,
Não sou poeta.
Sou eu.

As lágrimas andam rolando com facilidade
Não é tristeza
Não é felicidade
É um pouco do eu

Dizem que perto do aniversário
ficamos mais sensíveis, talvez.
Muitas lágrimas estão caindo

Eu queria o colo do meu pai
Os abraços da Natália
Dormir na cama com minha mãe
Ficar falando até de madrugada com a Rafaela
Minha vó me olhando sem eu saber por qual motivo
Eu queria um pouco de cada um
Queria meus amigos
Queria aquilo que não sei por onde deixei
Queria... será que não quero mais?

Quero muito. Quero tanto. Apenas quero. É tudo que quero.

Por que tantas lágrimas, esse choro de onde vem?
É saudade.
É falta.
É o olhar de quem sabe que acabou.
De quem vê o prato, a casa, vazia.

E quando algo acaba, aceitar resulta, claro, em lágrimas.
Tenho muito o que chorar.


quinta-feira, 13 de setembro de 2012

palavra

Difícil encontrar a palavra certa
Talvez dor? medo?

Quem sabe... eu sinto, mas não sei
Eu sonho.

Tudo está muito longe
Felicidade em doses
Um sorriso aqui, ali
E solidão.

A palavra é solidão.
Choro.
Lágrimas.
Saudade.


segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Não é nada...

Como começar, se não é nada?
Uma pequena dorzinha lá no fundo
Ou será a pontinha de tantas saudades

Há saudades? Ou uma única e dolorida saudade?

Vamos vivendo, sim, o cotidiano nos chama para tantos compromissos
Acordamos
Vamos e voltamos
Mas sem mais, nos olhamos no espelho e lá no fundo, bem no fundo
nos encaramos
Sabemos da verdade. Conhecemos aquele segredo escondido atrás do nosso olhar.
Como seria bom respirar fundo e deixar-se levar
Mas um algo que diz, menina... fantasias não existem, sonhos encantados, muito menos... pode esquecer, viu... a vida não é aquela do cinema.
É esta aqui. Um dia cinza, um dia colorido, e tudo, simplesmente tudo, depende de você, nunca, nunca, nunca do outro.
Ahhhhh... quanta angústia, tristeza, alegria, vontades tudo atrás desse olhar.

Quem nos conhece? Nós.
Não, eu.
A alma cheia de coisas, hora feliz, hora triste, só uma pessoa é capaz de entender, ou de enlouquecer.

EU.

Volto a olhar para o espelho, mas por que não se pode viver daquele jeito do filme de domingo? Com aquele romantismo do filme do menino bonito? Por que tudo está lá do outro lado...
Que lado, menina? Daquele lado da montanha, do outro lado da esquina.
Fácil, porque lá do outro lado mora o mistério.
Você não é mais menina para acreditar em fadas e sonhos encantados. Então estou morrendo e não estou me dando conta.
Ou estou, somente agora, vivendo?
Esta é a realidade?
Eu quero as histórias de todos os livros que li, todos os filmes que vi...
Pobre menina!!!!
Até que um anjo azul de lindas asas a pegou pelas mãos e a levou para as estrelas.

domingo, 2 de setembro de 2012

Solidão

Sentir-se só tendo uma lista grande para ligar
Sentir-se só tendo uma infinidade de pessoas conectadas
Mas de repente,
SOLIDÃO

Você olha para si mesma
E o peito se enche de lágrimas
O coração procura respostas
Não encontra
Luta! Luta para estar bem
Busca aquela paz

Mas encontra lágrimas e sente medo

Será que não saberá nunca encontrar a delicadeza da felicidade

Ou a felicidade está lá nas nuvens, longe... cruzando o mar,
perto de alguma ilha perdida?

Bastaria um simples olhar para toda essa tristeza se dissipar






sábado, 1 de setembro de 2012

Passarinha


Ela era uma passarinha muito bonitinha
Sabia cantar
Atrevida
Mandona
Engraçadinha

Sempre estava de um lado para outro
Gostava de ficar conversando com as flores
Tomava chá com as abelhas
Dançava, sempre, com as borboletas

Era a passarinha mais divertida daquele lugar

Tinha um problema
Sério
Via tudo cor de rosa

Será que era isso?
Aquela alegria toda?
Muito passarinho se incomodava
Até aquele verde, metido que só

Um dia chegou muito feliz
Tinha ido cantar em outro lugar
Ninguém sabia onde

Estava impossível, cantou o dia inteiro
Pulou
Brincou
Jogou
Fez de tudo um pouco

Foi então que pegaram-na

Num dia de chuva forte e fria

Passaram um produtinho sem graça e gelado
em seus olhos

Ela piscou, abriu e fechou os olhinhos
E deu um pio tão alto que todos se assustaram
Nada mais era rosa
Tudo cinza
Apresentaram-lhe ao mundo.


Chorou muito. E logo, muda.


Abertas

Há momentos em que as feridas se abrem
Um banho de mar dói
Um sopro então...

Nesse momento
Só nos resta esperar


Tempo
Cura
Seca

Sempre haverá a cicatriz

Mas ela dói apenas na alma
com as lembranças

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Espera

Então ficamos esperando
Uma eterna espera


Soltamos palavras achando que todos em nossa volta
estão preparados para recebê-las.
Não estão.
E o único que nos resta é esperar.

Na verdade, nos resta seguir sem olhar para trás.

O que foi dito, foi dito.
Não tem mais volta
E assim, uma vez mais, vamos seguindo o caminho.

É uma pena, nem todos sabem o que fazer diante de tanta verdade.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Eis

Eis que esperamos palavras

elas chegam

há um sabor doce

nos perdemos em seus significados

criamos novos significados

sonhamos

Eis que nos confundimos

no fundo, lá no fundo do pote doce das palavras

há um não

há o sabor amargo

Eis que choramos

Eis que respondemos

Eis que matamos nossos sonhos

Eis que encontramos a realidade.


sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Sem título


Viu um ponto brilhando no céu
Sentou. Olhou.
Ficou pensando.

Queria a estrelinha para ela.

Chamou, chamou.
Silêncio.

A nuvem passou, apagou.

Pobre menina, de olhos tristes.

A estrela pensou.

Jamais se encontrariam

CONTINUA, UM DIA.

Alimento da alma

Amor respira
Amor alimenta
Amor encanta
Amor mima
Amor aquieta
Amor adormece
Amor ama

Amor, aqui!


terça-feira, 7 de agosto de 2012

Começar


Tenho que sentar e começar
Há tanto que escrever
dizer
para ninguém, para o nada, para o sonho
para mim.

Sim, seria dito


Bastaria uma palavra

Seria dito sim
Seria dito vou
Seria dito adeus
Seria dito fico
Seria dito espere
Seria dito para ser feliz

Mas a palavra não veio
E o dito ficou preso
na alma
no coração

segunda-feira, 21 de maio de 2012

A tristeza não deve fazer parte de nós

Embora ela chegue de mansinho ou com toda força
A tristeza não deve ser parte de nós
Nascemos para ser livres
Voar
Olhar as estrelas
Amar
Sermos
A felicidade deve ser parte de nós, não o contrário

Mas nos vemos abraçados a tristeza
Ela fazendo parte de nós
do café da manhã
do banho
da cama
dos sonhos

Como nos livramos dela?
Tomando decisões.
Dói olhar para si e ver uma alma que chora
Um coração que pede abraço
O sorriso que não vem

Cabe a nós. Mas e o outro?


sexta-feira, 18 de maio de 2012

Acostumar-se

De repente
a dor não causa mais efeito
Acostuma-se
as lágrimas já não caem
Acostuma-se
o sorriso se apaga
Acostuma-se
o abraço não vem
Acostuma-se

Então, percebe-se que os dias vão passando e a tristeza é parte da correria, do almoço, da chuva, dos sonhos

A felicidade passa a ser um sopro leve em dias quentes, que não vem, que não aparece

E a alma torna-se cinza, acostumada a falta de cor, mas não morre, não vive.
Simplesmente, acostuma-se.


quinta-feira, 3 de maio de 2012

Coração e rosa

Na pequena e delicada tarde
Um coração chora
Quer o silêncio
Deseja o beijo da flores

Então, a rosa, vermelha, imponente
Lhe dá um beijo
Seus espinhos o perfuram.
Morre.

Pobre coração machucado, sangrando pedia por mais e mais beijo.



terça-feira, 1 de maio de 2012

"Poemar"

Invenção do verbo "poemar"

Eu poemo
Tu choras
Ele sorri
Nós somos
Vós amais
Eles acreditam


Sorrir

Sorrir sempre
Para cada segundo do não

Sorrir sempre
Para derreter a angústia

Sorrir sempre
Para dissipar a solidão

Sorrir sempre
Para ser inteira, sem rima, sem solução
Entregar-se

"Ser-se"

Para mim, eu, comigo, eu... SER plena para o que olha.




segunda-feira, 30 de abril de 2012

Delicadeza do ollhar

Enquanto vamos caminhando pelo mundo
Precisamos observar a delicadeza da vida
Na flor
No céu
No olhar

Nós nos apegamos aos feios detalhes, nas tristezas, problemas...

Mas o que precisamos, verdadeiramente, é treinar nossos olhares para o delicado.

À simplicidade da delicada flor.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Ácido

Não sei como o ácido vai tomando conta de tudo
Quando menos espero. Pronto.
Tristeza.
Eu queria muito evitar. Não gosto. Não quero.

O coração deseja calma, carinho, paz... mas está todo triste.

Triste, tristinho.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Coisas

Pequenas, grandes, coisas.

É preciso entender

A vida, a nossa, é cheia de pequenas grandes coisas.

Mas você não entende nada.

Precisa olhar. Buscar. E encontrar.

Não deixe as coisas nos afastar.

E no dia do livro...


É o que eu tento me dizer sempre... para que os pensamentos, as palavras possam existir.

Feliç Sant Jordi

A Festa mais linda de Barcelona... a cidade cheira a rosas e está repleta de livros. E eu?

Com o coração apertado de saudade.

Cuenta la leyenda que en Montblanc (Conca de Barberà) vivía un dragón terrible que causaba estragos entre la población y el ganado. Para apaciguarlo, se sacrificaba al monstruo una persona escogida por sorteo. Un día la suerte señaló a la hija del rey, que habría muerto de no ser por la aparición de un bello caballero con armadura que se enfrentó al dragón y lo mató. La leyenda dice que de la sangre derramada nació un rosal de flores rojas y que el noble caballero le regalo una de esas rosas a la hija del rey.

La tradición en catalunya es regalar un libro a tu amado y que él te regale una rosa ^^

no me digais que no es bonia esta fiesta¡¡

domingo, 22 de abril de 2012

Voltar



Depois de dias estranhos, doente, voltar ao trabalho... o turbilhão de sentimentos foi intenso e, logo, tenso.

Mas escutei de uma amiga a empolgação dela em estar correndo, de como é bom, da sensação, além disso, vi fotos de La Cursa em Barcelona e outras coisas, tudo sobre corrida; resultado: lembrei da época em que comecei a correr, em Barcelona, da sensação de ir conquistando cada metro, cada trecho, da minha primeira corrida.

Estou me sentindo estranha esses dias, chorona, inchada e decidi sair andar com Pirulito, foi então que pensei: Vou tentar correr, quem sabe consigo, faz três anos que estou parada, quando comecei, que coisa maravilhosa, era meu corpo acordando, minhas células relembrando, como se todo o corpo sentisse, pensasse, hei, eu lembro dessa sensação, desse movimento, desse suor... delícia, foi o que senti.

Meta: Voltar aos meus 10 KM.

Dificuldade número 1: Conseguir acordar cedo na segunda.

Dificuldade número 2: Conseguir correr depois de um intenso dia de trabalho e em pé o dia todo.

Dificuldade número 3: Calor... mas o mar estará ali.


O bom é que sou teimosa, e quanto mais difícil, mais eu quero.

Vou conseguir.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Dias fora da normalidade

Sábado: entro na emergência, fortes dores na cabeça, soro, medicação, ficar deitada vendo aquele monte de gente passando e também doente... muitos piores que eu.
Resultado: Dengue.

Domingo: Mais dor, volto para a emergência... fico ali deitada, durmo, acordo, vendo enfermeiras, pessoas, não me dou conta que é domingo de páscoa... eu ali, sozinha sendo alimentada por soro...

Segunda: Passo o dia dormindo, não aguento a dor forte no corpo e cabeça... volto ao hospital, mais soro, mais picada...

Preferia a segunda cansativa de sempre a estar como estou nesse momento.

domingo, 25 de março de 2012

Pois é

Fiquei pensando em palavras, mas não sei o que escrever.




Gatinho preto.
Solidão
Música
Cinema
Prova
Comer
Vontade
Saudade
Pirulito
Barcelona
Criança
Sonhos.

domingo, 18 de março de 2012

Felicidade


Uns dizem que ela foi-se embora
Outros dizem que são coisas simples
Alguns buscam nas estrelas

Para mim ela está no olhar
No meu
No seu
Quietinha dentro de nós

O problema é que buscamos fora da coração.

Música do domingo 18/03

Felicidade


Para que tanta ambição,tanta vaidade?
Procurar uma estrela perdida,
Quase sempre o que nos dá felicidade
São as coisas mais simples da vida!

Felicidade é umacasinha simplisinha,
Com gerâneos,em flor na janela
Uma rede de malha branquinha,
E nós dois a sonhar dentro dela!
CORO.
Ai,ai,ai,isto é tão pouco minha nega,
Ai,ai,ai, mas pra mim chega.

sábado, 17 de março de 2012

Sonhar


Entenda
Tudo é um sonho
Uma fuga

A realidade assusta
De repente, a imaginação me convida para as estrelas
Eu vou
Mas volto

Não vou destruir a realidade construída
Vou sonhar com estrelas e lua

Eu volto
Sempre volto

Há um medo, uma força que me deixa apenas sonhar
Todos os dias, mas apenas sonhar.

Escrever

Escrever é transformar a loucura do coração e alma em algo concreto.
Você encontra aquela palavra, ou tenta encontrar, para representar os sonhos.

Ainda não descobri a palavra certa para descrever a beleza de um olhar.

domingo, 11 de março de 2012

A descoberta do ser


A dor me fez sorrir
Foi com a dor que descobri que cada detalhe da vida é importante
Descobri que o sorriso nos faz bem
E que no final, sorrir é sempre o melhor remédio.

Perdi, chorei... mas ela me ensinou a voltar à vida.

A olhar a estrela, a lua, o mar.

Todas as lágrimas limparam meu ser.

Sempre amarei e lembrarei da minha doce gatinha.

quinta-feira, 1 de março de 2012

01 e 02/03

Hoje, eu disse aos meus alunos que gostava do dia 01 de um mês, porque com ele vem a oportunidade de realizar um grande mês, um bom mês, o novo... fiquei pensando, realmente, nisso.
Mas a vida, o destino, sei lá, me pregou um susto, uma dor inesperada... perdi minha gatinha, Capitu, não sabia o quanto um bicho pode fazer a gente sentir tanto amor.
E me dei conta do quanto a amava, doeu muito, muito mesmo, saber que minha Capinha, minha godinha... minha fofinha não virá me dar bom dia, é estranho, como somos capazes de amar sem perceber e quando o ser amado se vai... meu Deus, a dor é grande, tão grande que dá vontade de sumir, de viver, de ser, enquanto ainda há luz em nós mesmos.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

ai

Hoje é um daqueles dias em que tudo foi feito para a lua sorrir, sair, todas cantaram às estrelas, no final, uma nuvem negra chegou tomou conta e tudo escureceu.
Ela foi mais forte que o desejo meu, só meu.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Sem música de domingo

Não tem música de domingo
Escutei o mar
Escutei a amiga
Escutei meu coração
Escutei seu olhar
Escutei a noite
Escutei o silêncio
Repetição.

Chego ao fim com dor, muita dor.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Cinzas

Hoje, quarta-feira de cinzas.
Quero que a mágoa, as tristezas, angústias virem cinzas.

Renovar. alma. sentimento. tudo.

Meu coração tem tanta coisa bonita, por que é o medo que domina?

Música



Música da quarta-feira de cinzas.

Quero.


Quero você pra mim.

Abraçar
Beijar
Cuidar

Você foge, vai pra lá e corre, corre...
Fica aqui comigo agora.
Você, felicidade.
Não vá embora.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Olhos de achar


Se você olhar com grandes olhos de achar, encontrará.
Basta parar e, simplesmente, olhar.
Há aqui tanta coisa guardada, palavras não ditas, sonhadas e aquelas que querem ser ditas.
Uma alma inteira a ser desvendada.
Basta olhar.
Não há mistérios, só é preciso dedicar-se.
Saborear.
Cuidar.
Acarinhar.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Coisinha

Coisinha que vai dando voltas e voltas,
se esconde,
finge que não existe
e logo aparece, sorri
e volta a se esconder.
Corre para lá e para cá.
Quero pegá-la mas não consigo.
De repente, dorme, tranquila.

Mas sempre acorda faminta.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

O que está acontecendo?

Queria dizer tantas coisas e guardo aqui.
Começaria pedindo pausa.
Para olhar.
Somente olhar.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Música do domingo 12/02

Noite dos Mascarados
Chico Buarque

- Quem é você?
- Adivinha, se gosta de mim!

Hoje os dois mascarados
Procuram os seus namorados
Perguntando assim:

- Quem é você, diga logo...
- Que eu quero saber o seu jogo...
- Que eu quero morrer no seu bloco...
- Que eu quero me arder no seu fogo.

- Eu sou seresteiro,
Poeta e cantor.
- O meu tempo inteiro
Só zombo do amor.
- Eu tenho um pandeiro.
- Só quero um violão.
- Eu nado em dinheiro.
- Não tenho um tostão.
Fui porta-estandarte,
Não sei mais dançar.
- Eu, modéstia à parte,
Nasci pra sambar.
- Eu sou tão menina...
- Meu tempo passou...
- Eu sou Colombina!
- Eu sou Pierrô!

Mas é Carnaval!
Não me diga mais quem é você!
Amanhã tudo volta ao normal.
Deixa a festa acabar,
Deixa o barco correr.

Deixa o dia raiar, que hoje eu sou
Da maneira que você me quer.
O que você pedir eu lhe dou,
Seja você quem for,
Seja o que Deus quiser!
Seja você quem for,
Seja o que Deus quiser!

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Leve

Festa! Festa! Festa!!

Passar a noite em boa companhia, rindo, dançando, sendo feliz.

Me esqueço de todas as perguntas que rondam minha cabeça.

Leve, leve... :)

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Sexta

Semana cansativa, voltar é sempre difícil, mas foi gostoso.

É sexta e eu vou brincar, festa e cantar.

Pensamentos dando voltas por aqui, esperarei um pouco e logo decidirei.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Música do domingo 05/02

Onde Ir
Vanessa da Mata

Eu não sei o que vi aqui
Eu não sei prá onde ir
Eu não sei porque moro ali
Eu não sei porque estou

Eu não sei prá onde a gente vai
Andando pelo mundo
Eu não sei prá onde o mundo vai
Nesse breu vou sem rumo

Só sei que o mundo vai de lá pra cá
Andando por ali
Por acolá
Querendo ver o sol que não chega
Querendo ter alguém que não vem

Só sei que o mundo vai de lá pra cá
Andando por ali
Por acolá
Querendo ver o sol que não chega
Querendo ter alguém que não vem (não vem)

Eu não sei o que vi aqui
Eu não sei prá onde ir
Eu não sei porque moro ali
Eu não sei porque estou

Eu não sei prá onde a gente vai
Andando pelo mundo
Eu não sei prá onde o mundo vai
Nesse breu vou sem rumo

Só sei que o mundo vai de lá pra cá
Andando por ali
Por acolá
Querendo ver o sol que não chega
Querendo ter alguém que não vem

Só sei que o mundo vai de lá pra cá
Andando por ali
Por acolá
Querendo ver o sol que não chega
Querendo ter alguém que não vem (não vem)

Só sei que o mundo vai de lá pra cá
Andando por ali
Por acolá
Querendo ver o sol que não chega
Querendo ter alguém que não vem

Só sei que o mundo vai de lá pra cá
Andando por ali
Por acolá
Querendo ver o sol que não chega
Querendo ter alguém que não vem

Cada um sabe dos gostos que tem
Suas escolhas, suas curas
Seus jardins
De que adianta a espera de alguém?
O mundo todo reside
Dentro, em mim

Cada um pode com a força que tem
Na leveza e na doçura
De ser feliz.

Quase

Quase o domingo é tomado pelo mau humor, passando o dia todo sentada.
Trabalhando.
Escrevendo.
Organizando.
Não vi o sol.
Não vi o dia.
Tudo foi visto pela tela do computador e quase, quase, tudo se perde amaranhado no humor aos pedaços.
Então, vou caminhar na praia, rápido, e penso: tanto trabalho é para que eu possa concretizar um sonho.
Tudo muda, a felicidade, uma alegria grande bate, junto a sensação de agradecimento.
Sou grata por esse domingo de trabalho.

Fevereiro

Comecei o mês de fevereiro libertando o coração, falei exatamente o que ele estava sentindo, eu fui eu.
Erros, medos, sinceridade, fui plena.
Não tive resposta concreta, mas vou aceitar o gesto.

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Ponto.


Cansei.

Ponto.
Ponto.
Ponto.

Deixarei que as coisas passem, não brigarei com a vida.

Cansei.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Sol e chuva

Caminhar com o sol
Provar a chuva

Molhar-se
Escutar-se
Sentir-se

Deitar, lembrar, sonhar.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Música do domingo 29/01

Preciso Me Encontrar
Cartola

Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir prá não chorar
Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir prá não chorar...

Quero assistir ao sol nascer
Ver as águas dos rios correr
Ouvir os pássaros cantar
Eu quero nascer
Quero viver...

Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir prá não chorar
Se alguém por mim perguntar
Diga que eu só vou voltar
Depois que me encontrar...

Quero assistir ao sol nascer
Ver as águas dos rios correr
Ouvir os pássaros cantar
Eu quero nascer
Quero viver...

Deixe-me ir
Preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir prá não chorar...

Deixe-me ir preciso andar
Vou por aí a procurar
Sorrir prá não chorar
Deixe-me ir preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir prá não chorar...

Eu acredito no amanhã

Eu preciso acreditar no colorido da flor para não secar meu coração.

As lágrimas limpam a alma.

Eu sou Camila Leite Campos, assim de sensível, assim de boba, assim de menina, assim de amor, assim de eu.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Relato

É preciso começar dizendo que eu estava errada, sim, errada porque resolvi sair com o carro sabendo que as lanternas traseiras não funcionavam, arrisquei porque não queria ir de táxi.

Fui assistir a uma peça no teatro Santa Isabel, na volta, passando por uma avenida sem ninguém o carro da CTTU me para, fico com medo, eu sabia que estava errada, a primeira coisa que ele diz é para eu descer do carro e ver as lanternas, avisa em bom tom: vou levar seu carro, vai para o depósito, fiquei com medo, naquela hora e naquele lugar, como eu chegaria em casa?

Então começa a humilhação, mas podemos conversar, diz ele, o que a senhora faz, me pergunta e eu já sabendo o que eles queriam e com um grande nó na garganta, com medo, respondo - sou professora, ahhh professora, bom eu vou levar o carro, mas se a senhora tiver cem reais, eu ri nervosa: moço olha a minha carteira tem dez reais e ele comenta - pode ser, aceito, a gente sabe como é a vida de professor.

Entreguei o dinheiro e comecei a chorar, chorei pelo ser humano que estava diante de mim, chorei pela humilhação, chorei pelo medo, chorei por me sentir um nada diante daqueles dois e chorei, chorei muito por não haver diferença alguma entre ser assaltada por um vagabundo ou por um agente do estado.

Chorei, chorei e chorei.

Qual o sentido da poesia, do amor, da sensibilidade, do abraço quando nos vemos em situações que acabam com o que há de bonito em nós, esperança de um mundo melhor.


Nó.
E só.
No final pó.

Triste.

Música do dia

Minha Herança: Uma Flor
Vanessa da Mata

Achei você no meu jardim
Entristecido
Coração partido
Bichinho arredio

Peguei você pra mim
Como a um bandido
Cheio de vícios
E fiz assim, fiz assim

Reguei com tanta paciência
Podei as dores, as mágoas, doenças
Que nem as folhas secas vão embora
Eu trabalhei

Fiz tudo, todo meu destino
Eu dividi, ensinei de pouquinho
Gostar de si, ter esperança e persistência
Sempre

A minha herança pra você
É uma flor com um sino, uma canção
Um sonho, nem uma arma ou uma pedra
Eu deixarei

A minha herança pra você
É o amor capaz de fazê-lo tranqüilo
Pleno, reconhecendo o mundo
O que há em si

E hoje nos lembramos
Sem nenhuma tristeza
Dos foras que a vida nos deu
Ela com certeza estava juntando
Você e eu
(2x)

Achei você no meu jardim

Manhã


Pela manhã fui caminhando
Viajando na beleza do mar

Eu sonho um algo impossível
Desejo algo dolorido.

Coração inquieto.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Olhar

Apaguei, escrevi, apaguei e voltei a escrever.
Apaguei.
Não consegui, tive medo das palavras.
Como explicar que a lua está brilhando, eu vendo as estrelas e chorando?

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Pessoa estranha essa Camila.

Eu sou uma pessoa estranha.
Há uma inquietação constante, um nó na garganta que dói, misturas de sentimentos. Estranha, muito estranha.
Procuro a tempestade, não gosto do sol e da calmaria.
E quando vou para o meio da ventania, fico me perguntando se sou doida.
Vejo e invento vontades, sentimentos, medos, fantasias constantes.
Quero ser da calmaria, mas procuro agitação.
Não me entendo.

Eu queria poder gritar aos quatro ventos o que estou sentindo, mas acontece que não sei.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Música

http://www.youtube.com/watch?v=bebWiipg1EA


Si quieres un poco de mí,
me deberías esperar.
y caminar a paso lento,
muy lento
y poco a poco olvidar,
el tiempo y su velocidad
frenar el ritmo, ir muy lento, más lento.
Ser delicado y esperar,
dame tiempo para darte
todo lo que tengo…
Si quieres un poco de mí,
dame paciencia y verás
será mejor que andar corriendo,
levantar vuelo
y poco a poco olvidar,
el tiempo y su velocidad
frenar el ritmo, ir muy lento,
cada vez mñas lento.
Ser delicado y esperar,
dame tiempo para darte
todo lo que tengo…
Si me hablas de amor
si suavizas mi vida
no estaré mas tiempo
sin saber que siento
Ser delicado y esperar,
dame tiempo para darte
todo lo que tengo…

25 dias

Vinte e cinco dias de 2012, fiquei provando esse ano lentamente, provando-me, vivendo momentos sozinhas, experimentando trabalhos manuais, vivendo um pouco de arte, ... fiquei sentada olhando a janela.
Pensando na chuva, no mar e nas flores.
Pensando.
Dias gostosos de chuva, de casa, de cheiro doce no ar.
Agora, nesse exato momento, meu coração está leve...
Fiquei. Não fui. Aprendi a ficar.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Final da tarde

Caminhada na praia
Verde mar
Sol
Cheiro bom
Coração leve, leve.

Escritório

Minha ideia era deixar aquela bagunça toda um pouco em ordem, depois de uma semana, até que 50% melhorou.



Pena que a foto ficou ruim, fiz no canto esquerdo umas colagens com imagens do Corto Maltese e papel vermelho e preto, o erro foi escolher branco de fundo, porque já está cheio de patas da Capitu (a gata).



A estante de livros ficou super em ordem, levou uma semana para pintar cada prateleira.












Depois de passar o dia pintando, as caixas de vime ficaram assim, coloquei os comics do Rafa nelas, fica bem fácil de encontrá-los e, claro, organizado.

sábado, 14 de janeiro de 2012

mudando



Há uma semana sozinha, é bom ouvir os pensamentos, principalmente, para quem fala pelos cotovelos.
Estou centrada em arrumar o escritório e aprendendo que pintar, cortar, reformar, tudo leva seu tempo, é preciso esperar a tinta secar, cortar é muito trabalhoso, mas é bom ver o resultado final.
Agora eu sei que isso é uma arte.
Estou admirada com minha capacidade de ser paciente.

Vendo o que estava feio se transformar, basta trabalho, muito trabalho.